Menu Fechar

Coronavirus COVID19

Em Portugal, o número de casos de pessoas infetadas com o Covid-19 tem vindo a aumentar.
São muitas as dúvidas neste tempo de incertezas, pelo que facultamos algumas recomendações importantes para TODOS, em especial, para os doentes de Crohn e Colite Ulcerosa e outras doenças auto-imunes.

Acompanhe todas as atualizações na nossa página de NOVIDADES.

NOVIDADES →

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES EFETUADAS PELOS DOENTES DE DOENÇA INFLAMATÓRIA DO INTESTINO

POR TER DOENÇA INFLAMATÓRIA DO INTESTINO TENHO MAIOR RISCO DE CONTÁGIO PELA INFEÇÃO COM COVID 19?
Não tem, particularmente se tiver a sua doença controlada, mas isso não significa que não tenha que cumprir todas as orientações que lhe são dadas pelas autoridades de saúde com o objetivo de evitar o contágio.

DEVO CONTINUAR A IR ÀS CONSULTAS DE DII?
Não é aconselhável recorrer aos hospitais neste período que iremos atravessar.
Por isso, se estiver bem, sem sintomas ou com sintomas ligeiros, não vá à consulta.
Será de todo importante que sejam efetuadas consultas não presenciais, ou seja sem a presença do doente. Poderá haver um contacto telefónico entre o médico e o doente e podem ser passadas as receitas da medicação que necessita, estas serão enviadas para o seu telemóvel por mensagem ou, não havendo essa possibilidade, por carta.
Se não estiver bem, exponha a sua situação clínica ao médico, através de contacto telefónico, e, só se este achar necessário, irá ao hospital.
O hospital está a trabalhar no sentido de implementar este tipo de consultas não presenciais, pelo telefone, a realizar no dia ou na véspera da marcação da sua consulta.

DEVO FAZER A COLONOSCOPIA QUE ESTAVA PEDIDA?
Não é aconselhável recorrer aos hospitais neste período que iremos atravessar. Exames de rastreio do cancro no âmbito da DII e para avaliar a atividade da doença, em doentes clinicamente bem, devem ser adiados. Exames considerados urgentes para decisão clínica também urgente deverão ser realizados mas a decisão final irá ser tomada de acordo com a equipa médica.

DEVO IR AO HOSPITAL DIA FAZER OS TRATAMENTOS E ANÁLISES?
Sim deve, bem como deve respeitar as medidas de proteção individual preconizadas pela direção geral de saúde. A suspensão do tratamento pode estar associada a agudização da sua doença, com necessidade de toma de corticóides, hospitalização, e/ou cirurgia o que, na fase em que estamos, não é de todo aconselhável.

SE TIVER A INFEÇÃO COVID 19, SENDO PORTADOR DE DOENÇA INFLAMATÓRIA DO INTESTINO, TENHO MAIS RISCOS QUE OUTRA PESSOA?

Para responder a esta pergunta teremos que ter em consideração o tipo de medicação que faz para controlo da sua DII

1. Se está medicado com: Asacol, Azzavix, Pentasa, Salofalk (comprimidos, granulado, enemas, espuma, supositórios): não há aumento de risco com estes medicamentos. Estes medicamentos não interferem com as suas defesas. Tem um risco idêntico à população em geral naturalmente relacionado com a idade que tem e se tem patologia respiratória crónica, cardíaca ou diabetes.

2. Se está medicado com imunossupressores clássicos (azatioprina – Imuran, Azafalk ; metotrexato – Ledertrexato ), fármacos biológicos ( adalimumab – Humira Imraldi , infliximab – Remicade; Inflectra; Golimumab – Simponi; Certolizumab – Cinzia; vedolizumab – Entyvio; Ustecinumab – Stelara ) ; ou outros imunossupressores como o tacrolimus ou tofacitinib – Xeljanz), tal como lhe foi explicado no início da terapêutica, esta produz alterações nas suas defesas, as quais, são diferentes consoante o fármaco e/ou fármacos e o tipo de infeção. Teoricamente apresenta um risco aumentado na evolução da infeção COVID 19. No entanto, a comunidade científica ainda não tem dados que permitam quantificar esse risco. São atualmente considerados os seguintes fatores de risco: idade, doenças cardíacas, respiratórias crónicas e diabetes.

3. Se está medicado com corticóides (metilprednisolona – Medrol, prednisolona- Lepicortinolo) com dose superior a 20 mg, apresenta um risco acrescido associado à infeção COVID 19 pelo que estes fármacos deverão ser reduzidos ( de forma gradual e de acordo com o seu médico) para a dose mínima eficaz

SE TIVER SINTOMAS QUE PODERÃO CORRESPONDER A INFEÇÃO NÃO CONFIRMADA (FEBRE, TOSSE, DIFICULDADE EM RESPIRAR, DOR DE GARGANTA, SINTOMAS GASTRO INTESTINAIS) O QUE DEVO FAZER?

1. Contacte a linha saúde 24, diga os sintomas que tem, a doença de base e a medicação que toma e proceda de acordo com o que lhe transmitirem

2. Informe PELO TELEFONE o seu médico assistente / hospital dia da sua situação

SE TIVER A INFEÇÃO COVID 19 CONFIRMADA E TOMAR IMUNOSSUPRESSORES, FÁRMACOS BIOLÓGICOS OU CORTICÓIDES O QUE DEVO FAZER EM RELAÇÃO À MEDICAÇÃO DA DII?

A decisão nesse caso é tomada pela equipa médica que o segue e tem que ser equacionada a gravidade da sua infeção pelo COVID 19 e a gravidade da sua DII. Tal como noutras infeções, a terapêutica (imunossupressores e biológicos) poderá ser suspensa temporariamente e retomada assim que as circunstâncias individuais o permitirem. Os corticóides devem ser retirados mas necessitam de um desmame, orientado pelo médico
Estas respostas tiveram como base a ECCO, o GEDII e foram adaptadas consoante a realidade do CHTV, são destinadas aos meus doentes

Fonte: Compilação partilhada Dr.ª Paula Ministro a 15 de Março de 2020